A Black Friday, um dos eventos mais aguardados pelos consumidores, ocorre nesta sexta 27 de novembro de 2020, tradicional por acontecer sempre na última sexta-feira do mês de novembro. 

Para aproveitar as ofertas sem sofrer nenhum tipo de dano, é importante que o consumidor fique atento, desde já, aos preços dos produtos que pretendem comprar.
Para orientar os consumidores, o PROCON MUNICIPAL DE CACOAL-RO se moveu até diversas lojas para fiscalizaras falsas promoções, venda de produtos que não estejam em estoque, à falta de informações precisas ao público, entre outras violações à Lei n. 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), bem como para tirar dúvidas dos consumidores e os instruírem para não serem enganados e estarem cientes dos seus direitos neste grande momento do ano para os consumidores.

Ademais, por estarmos vivendo durante um período da pandemia, as compras on-line aumentaram, o que consequentemente faz com que os números de casos de fraude aumentem e o número de reclamações também, segue algumas dicas fornecidas pelo PROCON para que os consumidores não sejam enganados: 

  1. Sempre desconfie de preços muito abaixo da média, pois é claramente um indício de fraude. Bem como tenha cuidado extra com ofertas realizadas em redes sociais. 
  2. Prefira pagar suas compras on-line com cartão de crédito, e tenha cuidado com sites que exijam boletos ou transferência bancária direta, pois o ressarcimento é muito difícil nesses casos. 
  3. Nunca informe seus dados bancários para terceiros em redes sociais no momento da compra, caso o lojista vier requerer os dados se negue. 
  4. Todo site deve exibir o CNPJ da empresa ou o CPF da pessoa responsável, além de informar o endereço físico onde a loja possa ser encontrada ou o endereço eletrônico para que possa ser contactada. A página virtual também é obrigada a disponibilizar um canal para atendimento ao consumidor, o chamado Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) 
  5. É possível verificar o número de reclamações sobre a fornecedora utilizando o site “reclameaqui”, onde também é possível ver os comentários acerca das lojas ao qual pretende-se efetuar a compra. 

Em casos que o consumidor se sentir lesado, pode entrar em contato com o PROCON pelo número 69-3907-4132, ou efetuar denúncia direta no 151. 


O PROCON Municipal de Cacoal, vem por meio deste fazer um alerta a população em geral no que tange a respeito às possibilidades de aplicação de golpe no momento do cadastramento da nova plataforma de transações bancárias, o PIX. 

O PIX é basicamente uma nova forma de se fazer pagamento eletrônico, onde o consumidor faz o pagamento pelo aplicativo, mas se utilizando do banco que o consumidor já utiliza. O PIX foi desenvolvido pelo Banco Central, onde permite que o consumidor efetue pagamento, transferência de forma rápida de funciona 24 horas por dia, inclusive em feriados e finais de semana, fazendo a transação financeira em até 10 segundos. O cadastramento no PIX se início no dia 05 de Outubro onde é realizado no site do Banco Central ou no próprio aplicativo. 

Todavia, como em transações financeiras realizadas, há sites e aplicativos que se passam por instituições oficiais e credenciadas, para tirar vantagem do consumidor, de modo que é imperativo O consumidor manter atento, principalmente, quando acessar um site ou baixar algum aplicativo, para ter a certeza que se trata de um site oficial ou aplicativo do banco ao qual o consumidor é correntista. 

O consumidor que for vítima de algum golpe, acaso a instituição financeira tenha sido culpada pelo vazamento dos dados e comprometido às informações particulares do consumidor, poderá ser responsabilizada. 

Diante de tais situações, o cidadão pode procurar o Procon situado na rua Anísio Serrão, 2168, Centro, Cacoal-RO. O Procon também atende pelo telefone 69-3907-4132. 

Elencado no artigo 39, do Código de Defesa do Consumidor e descrito da seguinte forma, “é vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas, exigir do consumidor vantagem manifestamente excessiva ou condicionar o fornecimento de produto ou de serviço ao fornecimento de outro produto ou serviço, sem justa causa, a limites quantitativos”.

No entanto, algumas irregularidades vêm ocorrendo acerca de tal matéria. Nos últimos dias, o órgão de Defesa do Consumidor da cidade de Cacoal, Procon, recebeu inúmeras denúncias sobre o encarecimento de alguns itens da cesta básica, tais como arroz, feijão, batata e outros.

De tal maneira, que o presente órgão vem alertar os consumidores, já que o simples aumento dos preços não é uma irregularidade, mas sim os preços abusivos e os impostos não justificados no produto

Assim, o Procon fiscaliza e acompanha as prestações e fornecimento de produtos e serviços, bem como tem o papel de auxiliar a população com a finalidade de coibir práticas abusivas, deixando claro, que não é competente para tabelar preço dos alimentos, visto que não integra no seu rol de atuações. Cabe ao órgão analisar se os aumentos dos alimentos, classificação em destaque, são justificáveis ou não.

Verificando que há de fato uma irregularidade, o Procon tem deveres legais e o poder de intervenção para aplicar penalidades. Ainda que haja o livre mercado, segundo o Procon, o aumento não pode acontecer de forma desproporcional. Caso verificado a ilicitude, a empresa será notificada para apresentar explicações que justifiquem a elevação do preço no prazo de até 10 dias. Caso não consiga justificar, a empresa será penalizada. Ou seja, o benefício que a empresa esperava obter pela prática, será revertido em uma penalidade.

De acordo com o Decreto nº 25.196, de 7 de julho de 2020, a prática de aumento abusivo ou injustificado por ocasião de calamidade, como é o caso da pandemia da Covid-19, é considerada uma circunstância agravante – motivo que confere mais gravidade da infração.

Ademais, há ferramentas para o consumidor se inteirar acerca dos valores e preços abusivos no cardo, sendo uma delas a ferramenta “Menor Preço Brasil”, software que contém informações de todos os produtos comercializados no Estado. Onde, sempre que é vendido um produto capaz de gerar um cupom fiscal, há uma comunicação desta informação com os servidores do Governo, sendo mais específico a Secretaria de Finanças do Estado de Rondônia (Sefin).

O próprio Governo alimenta esse aplicativo quase em tempo real e exibe os produtos comercializados – não só de alimentação, como também de gasolina e outros serviços – nos estabelecimentos comerciais. De eficácia comprovada, o aplicativo traz comodidade aos cidadãos na pesquisa pelos produtos ou serviços mais vantajosos.

A população que se sentir lesada, pode e deve apresentar denúncias no canal de atendimento do Procon (69)3907-4132, ou pelo e-mail proconmunicipaldecacoal@hotmail.com

As distribuidoras de energias elétricas  poderão voltar a realizar cortar a energia de consumidores que estão inadimplentes a partir de 1º de agosto. Somente os consumidores que são enquadrados no programa Tarifa Social, destinado a famílias de baixa renda, terão o fornecimento mantido até o 31 de dezembro, que não consigam arcar com as faturas, período de vigência do decreto de calamidade pública.

A Aneel havia aprovado, a proibição de cortes temporariamente no período de 24 de março até o dia 31 julho de 2020, devido a declaração da pandemia do novo coronavírus pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Lembrando que há aprovação pelo Congresso e sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro, que proíbe o desligamento de serviços públicos nas sextas-feiras, sábados, domingos, feriados e no dia anterior ao feriado.

O Procon Municipal de Cacoal orienta os consumidores que estão com faturas em abertos entrar em contato com a central de atendimento da energisa através do 0800 64 11 11, pelo WhatsApp no telefone (69) 99358-9673 e no site energisa.com.br para regularizar e evitar que tenham o fornecimento de energia elétrica suspenso.

O Procon Municipal de Cacoal orienta os consumidores sobre os golpes por meio de aplicativo bancário pois fraudadores estão se aproveitando da pandemia do coronavírus para roubar dados dos cidadãos por meio do envio de links falsos, pois os consumidores precisam ter cuidados necessários ao usar os aplicativos bancários para evitar futuros problemas financeiros.

“Devido à limitação que temos hoje com a dificuldade de ir até ao banco realizar pagamentos e outros serviços, estamos conhecendo novos instrumentos, que já existiam antes da pandemia, mas eram pouco utilizados, para realização dessas transações”. Finalizou a Coordenadora do Procon Taizy Santos.

Todas as instituições bancarias que temos no Brasil tem um site próprio e aplicativo para auxiliar o consumidor no manuseio das suas contas, realização de transações, consulta de saldo e todas essas atividades e finalidades que, por ventura, tem no caixa eletrônico, também temos na palma da mão. A única diferença é que não conseguimos, por meio de aplicativo, sacar o dinheiro. Mas você pode movimentar, realizar pagamentos, contratar serviços e realizar consultas simples como saldo e extrato”.

O consumidor precisa ficar atento ao utilizar a internet, pois pode existe um fraudador tentando tirar vantagem da inexperiência do usuário. Lembrando que os bancos e as instituições financeiras não enviam SMS, e-mail ou mensagem de Whatsapp alarmando que suas contas serão encerradas por não atualizar o cadastro. Essa situação chama atenção do consumir, e por algum motivo, pedem a ele que preencha algumas informações pessoais para regularização do cadastro. O banco não cobrará isso de você, portanto é muito importante que o consumidor tenha consciência dos seus direitos, mas tomem os cuidados necessários para não informar os seus dados aos golpistas”.

Quando o consumidor cair em um golpe, deve imediatamente denunciar à polícia e entrar em contato com a instituição financeira para romper com o ciclo da fraude. “ A pessoa precisa pedir o cancelamento do cartão de crédito, de algum serviço que seja alvo de ataques fraudulento e comunicar às autoridades policiais. Se o banco se recusar a restituir o dinheiro, que de alguma forma foi objeto de fraude, o cliente poderá procurar o Procon para mediar a situação ou o Poder Judiciário para obter o dinheiro, que foi desviado ilicitamente, de volta”, orienta a coordenadora do Procon do Procon Municipal de Cacoal Em caso de dúvidas, o consumidor poderá entrar em contato por meio dos canais de atendimento do Procon: 3907-4132 ou via e-mail: proconmunicipaldecacoal@hotmail.com

FIQUE ATENTO ÀS ORIENTAÇÕES

– Utilize antivírus no computador, tablet e smartphone;

– Em caso de dúvidas ou dificuldades, procure um familiar ou amigo que possa ajudar;

– Baixe aplicativos apenas das lojas oficiais;

– Não preencha formulários que não estejam nos sites oficiais;

– Não confie e não compartilhe links e informações dos quais não tenha certeza da origem;

– Não acredite em ofertas de ajuda, auxílio, dinheiro, entre outros serviços, enviadas pelo WhatsApp, redes sociais, e-mails e não clique nesses links;

– Para obter informações sempre acesse os sites oficiais dos bancos ou do serviço que desejar.

O Procon Municipal de Cacoal informa através da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) prorrogou até o fim de julho a proibição do corte de energia elétrica dos consumidores inadimplentes residenciais urbanos e rurais. A proibição do corte de energia por 90 dias foi aprovada pela agência no fim de março, com validade também para os serviços considerados essenciais no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus. Com a decisão desta segunda-feira (15), a medida, que perderia validade na próxima semana, ficará em vigor até o dia 31 de julho.


Os beneficiários devem ficar atentos ao desconto por direito aos consumidores de baixa renda

Procon Municipal de Cacoal orienta aos consumidores de baixa renda sobre o desconto de 100% na conta de energia elétrica

Com a pandemia do Covid – 19, o governo Federal concedeu 100% de desconto nas tarifas de consumo de energia elétrica inferior ou igual a 220 kwh/mês, para os consumidores de baixa renda que fazem parte do Programa Tarifa Social, conforme a medida provisória nº 950/2020, no período a contar do dia 1º de abril a 30 de junho deste ano.

A Agência de Proteção e Defesa do Consumidor em Rondônia (Procon-RO) explica que o subsídio foi disponibilizado para beneficiar as famílias que tiveram sua renda reduzida em função da crise provocada pela pandemia da Covid-19.

De acordo com a coordenadora Taizy Santos “ E importante deixa claro que a taxa de contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública (COSIP) continuará a ser arrecadada e cobrada aos consumidores”.

Dessa forma o Procon orienta aos consumidores enquadrados como baixa renda beneficiários da Tarifa Social que verifiquem o recebimento do SMS e se o benefício foi concedido.

“Caso o consumidor não tenha recebido o benefício da qual tem direito, deverá entrar em contato com o Procon por meio dos nossos canais de atendimento”, completa a coordenadora. Para acionar o serviço o consumidor pode entrar em contato pelo telefone 3907-4132 ou por e-mail: proconmunicipaldecacoal@hotmail.com